NOTÍCIAS FÓRUM SERVIÇOS

Reunião do Fórum dos Serviços

Reunião do Grupo de Reflexão “Economia Digital, Logística e Infraestruturas”, do Fórum dos Serviços.

A agenda da reunião terá por base a apresentação e discussão do documento “Globalização e Digitalização: Desafios para a Logística e os Transportes” elaborado por José Félix Ribeiro e António Manzoni, e que deverá dar lugar a um caderno Temático do Fórum a editar proximamente.

Apresentação Digitalização, Infraestruturas e Digitalização

dia 22 Janeiro 2019

Sessão de apresentação do Estudo “Políticas urbanas, atividades de serviços e atração de não residentes”

A CCP e o Fórum dos serviços promoveram, em Viseu, no dia 2 de Outubro, a sessão de apresentação do Estudo “Políticas urbanas, atividades de serviços e atração de não residentes”

 

 

O estudo foi apresentado por Paulo Madruga, Coordenador do mesmo em representação da Augusto Mateus e Associados, empresa responsável pela sua elaboração.

 

Este estudo teve como objectivo analisar o papel dos serviços de base territorial na atractividade das nossas cidades, com especial incidência na atracção de não residentes.


A sessão contou ainda na sessão de abertura com as intervenções do Presidente da Cãmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques e do Presidente da CCP e do Fórum, João Vieira Lopes.


O estudo pode ser obtido em edição em Livro através de pedido por e-mail para ccp@ccp.pt ou ser consultado clicando neste link

Apresentação

 

Reunião do Conselho Geral do Fórum dos Serviços

Conselho Geral do Fórum dos Serviços debate o tema do próximo Ciclo de Fundos Estruturais 2021-2027, tendo contado com uma intervenção do Prof. Augusto Mateus sobre o tema “Um novo programa para a década”.

Da reunião emergiu uma ideia clara: Um tempo de mudança, exige políticas de ruptura com o passado.

Na segunda parte da reunião, o Conselho Geral fez um ponto de situação dos trabalhos dos vários Grupos de Reflexão e deu início à preparação da II Convenção dos Serviços a realizar no primeiro trimestre de 2020.

Seminário de Apresentação do estudo “O Sector dos Serviços e os desafios da Segurança Social”

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e o Fórum dos Serviços, para uma Especialização Inteligente da Economia Portuguesa, vão organizar no próximo dia 21 de Fevereiro, durante o período da manhã, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, um encontro de apresentação do estudo “O Sector dos Serviços e os desafios da Segurança Social”, e que contará com a participação do Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

 

O estudo faz um amplo diagnóstico dos principais problemas que o Sistema de Segurança Social enfrenta, nomeadamente, em termos da sua sustentabilidade financeira, adequação das prestações, e equidade intra e intergeracional, e formula uma proposta de trabalho fundamentada. O trabalho efectuado constitui um instrumento único que reputamos de maior relevância, para o debate do futuro da Segurança Social, no quadro de uma economia que queremos mais competitiva e dinâmica.

 

O estudo será apresentado por Armindo Silva, responsável pela coordenação do trabalho. No encontro intervirão ainda o Presidente do CES, António Correia de Campos e o Presidente da CCP, João Vieira Lopes (o programa da sessão pode ser consultado no link abaixo).

 

A confirmação de presençaspode ser feita até ao dia  19 de Fevereiro, através do contacto de e-mail: ccp@ccp.pt, ou do telefone: 213 031 380.

Sétima reunião de Plenário do Fórum dos Serviços

 

Realizou-se no dia 22 de Novembro, em Lisboa, a sétima reunião de Plenário do Fórum dos Serviços.

A reunião contou com a presença, como orador convidado, do Ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, que fez uma intervenção sobre o Investimento e Competitividade em Portugal no Pós 2020, a que se seguiu um debate com os membros do Fórum.

 

Na 2ª parte da reunião foi discutido o Plano de Actividades para o biénio 2018/2019 e o novo Regulamento Interno do Fórum, tendo sido decidido marcar-se para o primeiro trimestre de 2020 a Segunda Convenção Nacional dos Serviços.

“As políticas Urbanas, as Actividades de Serviços e a Atracção de Não Residentes” Download

“As políticas Urbanas, as Actividades de Serviços e a Atracção de Não Residentes” Download

CRIAÇÃO DE UMA “UNIDADE DE MISSÃO” SOBRE POLÍTICAS DE CIDADE E O SECTOR DOS SERVIÇOS Download

PROGRAMA DE ACÇÃO PARA 2018-2019 Download

REGULAMENTO INTERNO DO “FÓRUM DOS SERVIÇOS” Download

Sessão de apresentação do estudo “Business Services Centers em Portugal”

 

A CCP e o Fórum dos Serviços promoveram, em Lisboa, no dia 25 de Julho, a sessão de apresentação do estudo “Business Service Centers em Portugal”, realizado pela EY (Ernest & Young, S.A.).

O objectivo do estudo apresentado é avaliar o impacto económico dos Business Services na economia portuguesa, as novas dinâmicas de crescimento trazidas pelo segmento dos Business Service Centers (BSC), e uma análise à proposta de valor e competitividade de Portugal nesta área estratégica para a economia.

 

Através do estudo apresentado, é possível concluir que o trabalho realizado por entidades públicas e privadas foi crucial para a decisão das empresas se estabelecerem em Portugal. Existe, no entanto, a necessidade de uma melhor articulação da oferta do nosso país, de forma a preparar um pacote promocional bem estruturado e consistente, exclusivo para este sector.

 

No que há captação de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) diz respeito, através da realização de um inquérito às empresas, foi possível verificar que 52% das empresas inquiridas pretendem investir nos próximos 3 anos, sendo que 62% das respostas positivas  elegeram Portugal para a localização do investimento. Também foi possível perceber que as empresas que se instalam no nosso país se reinventam e crescem, sendo esse crescimento apenas limitado pela oferta de activos físicos e a disponibilidade/competências técnicas dos recursos humanos qualificados, sobretudo em algumas línguas (como o francês, alemão e mandarim) e áreas de TI, Engenharias e digital.

 

A sessão também contou com as intervenções de representantes do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP,I.P.)  e do AICEP, que indicaram os esforços e apoios a disponibilizar às empresas que se pretendam instalar em Portugal ou reforçar as suas operações.

 

A sessão foi concluída com a intervenção do Presidente da CCP, Eng.º João Vieira Lopes,com uma intervenção subordinada ao tema “Os Serviços no século XXI”, que ressalvou, entre outros aspectos,  que a “nova economia é geradora de novas possibilidades, mas também de  incertezas quanto ao futuro, apenas trazendo progresso e desenvolvimento sustentado para Portugal se o nosso país mantiver as escolhas e opções a fazer de forma aberta e plural, de forma a criar dinâmicas que permitam o alargamento de oportunidades e a diversificação de ofertas possíveis para compensar o que tem vindo a desaparecer e a dar sinais obsolescência.”

 

A exemplo de outras iniciativas anteriores, o encontro permitiu ainda afirmar o papel do Fórum dos Serviços como elemento agregador das empresas e associações e parceiro relevante dos órgãos de poder local e das instituições de ensino no desenvolvimento de acções e iniciativas integradas que contribuam para a dinamização dos Business Services.

Apresentação BSC

Apresentação AICEP

Estudo Business Services

Sessão de Apresentação do Estudo “Business Service Centers em Portugal”

A CCP e o Fórum dos Serviços vão apresentar o estudo “Business Service Centers em Portugal”, realizado pela consultora E.Y. (Ernest & Young S.A.), no dia 25 de Julho, pelas 10h30m na Pousada de Lisboa, na Praça do Comércio, em Lisboa.

A sessão decorrerá de acordo com o seguinte Programa:

 

10h30 – Recepção dos convidados e “welcome coffee”

 

10h45 – Apresentação do Estudo

                    Florbela Lima, Partner, EY

 

11h15 - Os Business Service Centers (BSC) e as Políticas Públicas

· António Valadas da Silva, Presidente do Conselho Directivo do IEFP

· Luís de Castro Henriques, Presidente do Conselho de Administração da AICEP *

 

12h15 – Os Serviços na Economia do Séc XXI

    João Vieira Lopes, Presidente da Direcção da CCP

 

A confirmação da presença pode ser feita através de e-mail: 

ccp@ccp.pt ou telefone: 21 303 13 80

I Convenção Nacional dos Serviços

Realizou-se nos dias 23 e 24 de Março a I Convenção Nacional dos Serviços, que juntou na Fundação Oriente em Lisboa mais de 500 participantes, entre associações e empresas dos serviços, representantes da administração Pública (central e local), académicos, investigadores e profissionais com ligação ao sector dos serviços. No evento, foi feita a análise das grandes tendências da economia global e o papel dos serviços, bem como dos desafios e da estratégia adoptar pelo nosso país, nas grandes áreas da vida económica, com vista a melhorar o nosso posicionamento competitivo na “nova economia” emergente.

As comunicações escritas apresentadas, bem como o documento final da Convenção titulado “Contributo para uma reflexão sobre o papel dos Serviços no crescimento e na competitividade da Economia”, podem ser consultados aqui.

TERCEIRO ENCONTRO DOS CENTROS DE SERVIÇOS EM PORTUGAL

Ao longo do dia foi possível ouvir as intervenções de um conjunto alargado de “players” que nos trouxeram experiências várias e, principalmente, o que podem ser as perspectivas da evolução do sector, nomeadamente nas temáticas da robótica, automatização e competitividade.

 

Foi também anunciado que o Fórum dos Serviços irá promover a realização de um estudo em colaboração com a EY, cujo nome será Business Services Portugal, cujo objectivo é estudar o impacto deste sector na economia portuguesa através da realização de um diagnóstico do sector, comparação de Portugal com outros destinos do sector e recomendações para melhorar a atractividade do nosso país enquanto destino de excelência.

 

O encontro permitiu ainda afirmar igualmente o papel do Fórum dos Serviços como elemento agregador das empresas e associações e parceiro relevante dos órgãos de poder local e das instituições de ensino no desenvolvimento de acções e iniciativas integradas que contribuam para a dinamização dos centros de serviços/centros de competência.

 

O Terceiro Encontro dos Centros de Serviços contou com o apoio do IEFP e da Câmara Municipal do Porto, a colaboração da Let´s go on e o patrocínio da EY e da Randstad.

Download:  Programa do evento

Apresentações para Download:

ITSector Nearshore Outsourcing

Portugal as a nearshore destination_randstad

Proservartner Shared Services Master Class Portugal

PRS Saphety CPP

Robotics Conferencia

SDEA-Invest in Azores

Sector vai estar em debate na I Convenção Nacional dos Serviços

A I Convenção Nacional dos Serviços vai acontecer em Lisboa nos dias 23 e 24 de Março de 2017. Um debate nacional e alargado, sobre o Sector dos Serviços.

O Sector dos Serviços é responsável por mais de metade do valor acrescentado nacional incorporado nas exportações portuguesas (65 a 70% das exportações líquidas). Ao contribuir de forma decisiva para o equilíbrio da balança com o exterior e sendo premente o debate sobre os contributos das múltiplas actividades de serviços numa economia global, o sector merece um debate alargado, num contexto nacional e também com uma perspectiva internacional.

Com o objectivo de analisar o papel e os desafios deste sector, vai ter lugar a I Convenção Nacional dos Serviços, uma iniciativa do Fórum dos Serviços, em colaboração com a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP). O evento vai contar com alguns dos mais importantes agentes económicos da área, especialistas nacionais e estrangeiros, bem como destacados representantes políticos com papel relevante no sector.

 

A abordagem das tendências gerais da economia global irá cruzar-se com a abordagem dos contributos que as múltiplas actividades de serviços (dos serviços às empresas, aos serviços pessoais, passando pelos serviços logísticos e de transporte aos serviços de base territorial, essenciais para a atracção de não residentes) podem dar para que Portugal possa ascender na cadeia de valor, reforçando o seu posicionamento competitivo a nível mundial.

Ao longo dos dois dias em que vai decorrer a Convenção serão apresentados e debatidos temas estruturantes para o país, como “As novas estratégias de internacionalização”, “As transformações resultantes da economia digital”, “O desafio dos transportes, tendo em conta o posicionamento geoeconómico do país”, “Os serviços às empresas na lógica de uma nova especialização internacional para Portugal”. Os desafios de atractividade que se colocam às cidades e as políticas públicas, no que se relacionam com o Sector dos Serviços, serão outros grandes temas de discussão.

Sexta reunião de Plenário do Fórum dos Serviços

Realizou-se no dia 7 de Julho, em Lisboa, a sexta reunião de Plenário do Fórum dos Serviços.

 

A reunião contou com a presença na 1ª parte da mesma, como orador convidado, do Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Dr. Nélson de Souza, que fez uma intervenção sobre o contributo do Portugal 2020 para o investimento e competitividade, a que se seguiu um debate com os membros do Fórum.

 

Na 2ª parte da reunião foi debatida a actividade do Fórum, tendo sido feito um balanço do trabalho realizado desde Julho de 2015 e das iniciativas a realizar até ao final de 2016 e princípio de 2017, com destaque para o programa e preparação da Primeira Convenção Nacional de Serviços, cuja data de realização será nos dias 23 e 24 de Março de 2017.

Especificação técnica 4546 2015

Projeto ”Sistema de Reconhecimento da Qualidade do Serviço das Pequenas e Médias Empresas do Comércio e Serviços”

No âmbito do projeto ”Sistema de Reconhecimento da Qualidade do Serviço das Pequenas e Médias Empresas do Comércio e Serviços” foi elaborada uma Especificação Técnica que terá a sua edição a 15 de Março de 2016.Neste sentido, a Revista eletrónica espaço Q de fevereiro de 2016, publicada pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ), tem como especial destaque o projeto referido. Este projeto trata-se de um sistema voluntário e flexível, ajustado às especificidades das PME do Comércio e Serviços, que pretende incentivá-las a melhorar as suas formas de organização e a qualidade do seu desempenho, adequando-as às exigências da procura e à melhoria da satisfação dos seus clientes. Para consultar esta publicação

:Clique para download revista on-line ou clique para download revista offline(para visualizar sem estar conectado à internet)

 

Encontro “Os Transportes e a Logística: Factores de Competitividade e de Criação de Valor para a Economia Portuguesa

Realizou-se em Lisboa, no dia 25 de Novembro em Lisboa, o Encontro “Os Transportes e a Logística: Factores de Competitividade e de Criação de Valor para a Economia Portuguesa

 

Este encontro, que envolveu empresas, associações, entidades e personalidades várias, teve como objectivo analisar e reflectir sobre a realidade dos transportes e logística, de forma a identificar os constrangimentos existentes, as potenciais vantagens competitivas do país e contribuir para a definição de uma estratégia visando a promoção externa do país nestes domínios.

 

Ao longo do dia foi possível ouvir um conjunto alargado de players que nos trouxeram experiências e reflexões, analisando e descrevendo os vários desafios que o sector dos transportes enfrenta, apontando possíveis caminhos e alternativas nas suas várias modalidades.

 

A exemplo de outras intervenções anteriores, o encontro permitiu ainda afirmar igualmente o papel do Fórum dos Serviços como elemento agregador das empresas e associações e parceiro relevante dos órgãos de poder local e das instituições de ensino no desenvolvimento de acções e iniciativas integradas que contribuam para a dinamização dos Serviços.

2º ENCONTRO DOS CENTROS DE SERVIÇOS EM PORTUGAL

Realizou-se em Lisboa, nos dias 29 e 30 de Outubro, o segundo encontro dos Centros de Serviços em Portugal

 

Este encontro, que envolveu empresas, associações e entidades várias, teve como objectivo, a exemplo da edição anterior, analisar e reflectir sobre a realidade dos Centros de Serviços, de forma a identificar os constrangimentos existentes e as potenciais vantagens competitivas do país e contribuir para a definição de uma estratégia visando a promoção externa do país nestes domínios.

 

Ao longo de dia e meio foi possível ouvir um conjunto alargado de players que nos trouxeram experiências várias e, principalmente, o que podem ser as perspectivas de evolução, ou, citando a EY neste encontro, os próximos passos para os centros de serviços nas suas várias modalidades.

 

O encontro permitiu ainda afirmar igualmente o papel do Fórum dos Serviços como elemento agregador das empresas e associações e parceiro relevante dos órgãos de poder local e das instituições de ensino no desenvolvimento de acções e iniciativas integradas que contribuam para a dinamização dos centros de serviços/centros de competência, sendo mais uma vez realçado o papel fulcral dos municípios na atracção de novas operações (ou no reforço das operações existentes).

 

O 2º Encontro dos Centros de Serviços contou com o apoio do IEFP, a colaboração da Let´s go on e o patrocínio da EY e da Randstad.

 

 

Download das apresentações

 

5ª reunião de Plenário do Fórum dos Serviços

Realizou-se no dia 21 de Julho, em Lisboa, a Quinta reunião de Plenário do Fórum dos Serviços.

 

A reunião contou com a presença na 1ª parte da mesma, como orador convidado, do gestor do Programa Operacional de Competitividade e Internacionalização (POCI/COMPETE 2020), Professor Rui Vinhas da Silva, que fez uma intervenção sobre o COMPETE 2020 e a Economia Portuguesa, a que se seguiu um debate com os membros do Fórum (podendo a mesma ser consultada neste site).

 

Na 2ª parte da reunião foi debatida a actividade do Fórum, tendo sido feito um balanço do que foi realizado desde a anterior reunião plenária e das iniciativas a realizar até ao final de 2016, com destaque para a 1ª Convenção Nacional dos Serviços a ter lugar no último trimestre do próximo ano.

 

Os trabalhos foram encerrados pelo Presidente da Direcção da CCP, Eng.º João Vieira Lopes.

Cerimónia de apresentação publica da Estratégia e Plano de Ação para a Empregabilidade Digital 2015 – 2020

A Estratégia Nacional e o Plano de Ação para a Empregabilidade Digital 2015-2020, serão apresentados em cerimónia pública na Fundação Calouste Gulbenkian, dia 24 de junho, pelas 9h30, e resultam da reflexão desenvolvida pelas 18 entidades  (públicas e privadas)  que integram a Coligação Portuguesa para a Empregabilidade Digital, coordenada pela FCT, formalmente instituída em abril de 2015.

 

A estratégia que será dada a conhecer vem definir medidas para aumentar a oferta de talento em TIC, já a partir de 2015, e colmatar a lacuna destes profissionais no mercado laboral atual e futuro. A iniciativa envolve as áreas da Economia, Educação e Emprego, propõe a criação e/ou articulação de instrumentos de política nacional, públicos e privados, que concorram para preencher os 5.000 postos de trabalho em TIC deixados em aberto em 2015 (15.000 em 2020),  numa conjuntura de elevada taxa de desemprego, em particular jovem e qualificado.

 

Constituída como plataforma para potenciar e facilitar a colaboração multistakeholder entre entidades dos setores público e privado, comunidades académica e técnica, organizações não-governamentais e sociedade civil, a Coligação Portuguesa para a Empregabilidade Digital, pretende incentivar a adoção de medidas que promovam a formação de jovens na área das TIC, a requalificação da força de trabalho desempregada ou a consciencialização para a oportunidade impar de empregabilidade que este contexto configura.

 

Este trabalho resulta do desafio lançado em 2013 pela Comissão Europeia, assumido pela FCT em Portugal, a Grand Coalition for Digital Jobs, uma parceria multistakeholder interessada em colmatar a falta de competências digitais na Europa e em preencher os postos de trabalho no domínio das TIC, uma área onde se estima atingir um défice de 900.000 profissionais em 2020, e que se traduz numa grave entrave à recuperação e ao crescimento económico.

 

Para efectuar a sua inscrição, queira dirigir-se ao seguinte endereço: 

https://www.eventbrite.pt/e/registo-apresentacao-da-estrategia-e-plano-de-acao-para-a-empregabilidade-digital-2015-2020-17167877584

Convite para participação na 2ª Edição do Ranking de Internacionalização das Empresas Portuguesas (RIEP 2015)

O INDEG-IUL (Escola de Negócios de referência em Portugal) e a Fundação Dom Cabral (Escola de Negócios de referência no Brasil – tem integrado o top 20 mundial), com o apoio institucional da aicep Portugal Global e com o patrocínio do Millenniumbcp, têm o prazer de convidar as empresas portuguesas com presença física no estrangeiro a participar na 2ª Edição do Ranking de Internacionalização das Empresas Portuguesas (RIEP 2015).

À semelhança da 1ª Edição, cujos principais resultados poderão ser consultados aqui, o RIEP 2015 pretende ser um instrumento de medição do desempenho e de disseminação das práticas adotadas pelas principais empresas do país, na conceção e implementação das suas estratégias internacionais. A partir de uma metodologia desenvolvida e largamente testada pela Fundação Dom Cabral, produzir-se-á conhecimento relevante para a criação de valor para as organizações.

As empresas participantes no RIEP 2015, para além da valorização em termos de imagem, terão a oportunidade de beneficiar do benchmark do seu desempenho internacional em relação às principais multinacionais Portuguesas. Os resultados da 2ª Edição do Ranking serão apresentados no dia 26 de outubro, na Fundação Champalimaud, com larga cobertura mediática e com a participação de inúmeros profissionais.

A data de submissão de candidaturas decorrerá até ao próximo dia 16 de Junho.

Para participar nesta iniciativa, inovadora em Portugal e que não envolve quaisquer custos, deverá contactar o INDEG-IUL através do e-mail: internacionalizacao.indeg@iscte.pt ou do telefone 968 978 334 (Vera Carvalheira).

SEMINÁRIO “As Qualificações e a Formação no Comércio e Serviços”.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e o Fórum dos Serviços promoveram num hotel de lisboa, no dia 21 de Abril, o seminário “As Qualificações e a Formação no Comércio e Serviços”.

 

O objectivo deste encontro, que contou com a participação de um elevado número de empresas, associações do sector dos serviços e de instituições públicas relevantes, foi o de apresentar os resultados de dois estudos:
 

 

  • “Programa Estratégico de Formação para o Comércio e Serviços 2014-2020”, cuja execução foi da responsabilidade da consultora Quaternaire;

  • “As necessidades de qualificações no Cluster da Saúde e Bem-estar”, executado por uma equipa coordenada pelo Professor Ribeiro Mendes.

 

Ambos os trabalhos, bem como as apresentações respectivas, estão disponíveis neste site.
Na sessão de abertura do encontro esteve presente o Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, que deu a conhecer alguns dos instrumentos de política pública em curso ou em preparação nas áreas que tutela. Interveio ainda o Presidente da Direcção da CCP, que enquadrou os dois estudos nas estratégias da CCP e do Fórum, tendo ainda manifestado preocupação pelo atraso no arranque dos novos apoios comunitários e pela anunciada redução das verbas atribuídas à formação profissional dos activos das empresas.
No final do encontro foi lido um texto contendo as conclusões/notas finais do encontro, a que poderão também aceder neste site.

ENCONTRO “SECTOR DOS SERVIÇOS: CONTRIBUTO PARA UMA ECONOMIA MENOS DEPENDENTE E MAIS COMPETITIVA

Realizou-se no Centro Cultural de Lisboa, no dia 5 de Novembro de 2014, o encontro “Sector dos Serviços: Contributo para uma economia menos dependente e mais competitiva.

 

O encontro contou com a presença de várias empresas, associações, tendo sido apresentadas as principais conclusões do estudo elaborado por Augusto Mateus & Associados, com o título “ 

“O Contributo do Sector dos Serviços para a Exportação Portuguesa e para a Atracção de Não Residentes”

 

 

Os resultados obtidos pelo estudo são especialmente significativos no que respeita à explicitação do relevante papel estratégico das atividades de serviços no crescimento económico e no esforço global de exportação na economia portuguesa.

 

Em primeiro lugar, os serviços viram aumentar o seu contributo para o crescimento da economia portuguesa e para o seu esforço global de exportação ao longo de quatro décadas, até à eclosão da crise financeira internacional. 

Os serviços chegaram mesmo a responder por mais de nove em cada dez euros que a economia portuguesa cresceu entre 1999 e 2008, mantendo-se como o principal responsável pelo crescimento económico no país. As linhas de tendência comprovam como o ritmo de afirmação dos serviços no esforço global de exportação da economia excede o ritmo de afirmação dos serviços no crescimento da economia portuguesa, revelando a progressiva orientação das atividades terciárias para os mercados externos (exportação direta) mas também o crescente consumo intermédio de serviços pelos exportadores nacionais (exportação indireta). 

 

Em segundo lugar, o peso relativo das diferentes atividades (produção de bens versus. produção de serviços) no contributo relativo para o aumento do VAB gerado no esforço global de exportação conheceu uma inversão total nos cerca de quarenta anos aqui analisados. 

No período 1970/1986, o setor primário e o setor secundário, ambos produtores de bens, ainda respondiam por mais de 60% do aumento da riqueza gerado no esforço direto e indireto de exportação enquanto o conjunto das atividades de serviços respondia por menos de 40%. Mas, desde então, o setor terciário é o principal contribuinte para a viragem para fora da economia portuguesa. O contributo do setor dos serviços para as exportações portuguesas e para a atração de não residentes. 

 

No período 1999-2008 – que engloba a criação do euro, a entrada da China na disciplina da OMC ou o alargamento da União Europeia  aos países de baixos salários e elevadas qualificações do centro e leste europeu, os serviços foram responsáveis por mais de três quartos do aumento da riqueza gerada por mais de três quartos do aumento da riqueza gerada no esforço global de exportação da economia portuguesa.

 

O surgimento de algumas dificuldades na dinâmica de internacionalização dos serviços veio reduzir o respetivo contributo para o aumento do esforço global de exportação para cerca de 69%. No período de crise e ajustamento aqui analisado (2008-2011), sete em cada dez euros de acréscimo de riqueza gerada na exportação veio dos serviços.

 

No período 1999-2008 - que engloba a criação do euro, a entrada da China na disciplina da OMC ou o alargamento da União Europeia aos países de baixos salários e elevadas qualificações do centro e leste europeu, os serviços foram responsáveis por mais de três quartos do aumento da riqueza gerada no esforço global de exportação da economia portuguesa. 

O surgimento de algumas dificuldades na dinâmica de internacionalização dos serviços veio reduzir o respetivo contributo para o aumento do esforço global de exportação para cerca de 69%. No período de crise e ajustamento aqui analisado (2008-2011), sete em cada dez euros de acréscimo de riqueza gerada na exportação veio dos serviços.

 

ENCONTRO “SECTOR DOS SERVIÇOS: CONTRIBUTO PARA UMA ECONOMIA MENOS DEPENDENTE E MAIS COMPETITIVA”

 

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e o Fórum dos Serviços, para uma Especialização Inteligente da Economia Portuguesa, vão organizar no próximo dia 5 de Novembro, durante o período da manhã, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, um seminário sobre “O Sector dos Serviços: Contributo para uma Economia menos Dependente e mais Competitiva”, no qual serão apresentadas as principais conclusões de um estudo que promoveram sobre “O Contributo do Sector dos Serviços para a Exportação Portuguesa e para a Atracção de Não Residentes”, que foi realizado pela Sociedade de Consultores Augusto Mateus & Associados.

 

 

O trabalho efectuado constitui um instrumento que reputamos de maior relevância, seja para as empresas do sector, seja para as suas organizações representativas, seja para consultores e investigadores, seja, ainda, para aqueles que têm responsabilidade na definição e execução das políticas públicas.

 

 

 

O estudo evidencia o protagonismo dos serviços no desafio exportador que gera crescimento em Portugal, tendo em consideração quer o seu contributo dos serviços exportados para os mercados externos, quer ainda o contributo dos serviços incorporados nos bens exportados e o contributo dos serviços para a atracção de não residentes e a captação de rendimentos vindos do exterior.

 

No encontro intervirá ainda a AICEP através do seu Administrador Executivo, José Vital Morgado, prevendo-se que no encerramento do mesmo o Governo esteja representado pelo Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro.

 

 

Com os melhores cumprimentos

 

O Presidente da Direcção

 

João Vieira Lopes

Fórum dos Serviços produz documento com propostas para o novo ciclo de apoios comunitários

O Fórum dos Serviços aprovou, em reunião dos seus membros, um documento contendo propostas para os apoios comunitários a vigorar no período 2014-20.O texto, que está disponível neste site, propõe-se combater a discriminação de que no passado o Sector dos Serviços foi vítima destacando os pontos que, na opinião do Fórum, devem constituir orientações essenciais dos seus Programas Operacionais.O documento será apresentado publicamente no seminário “Portugal: Que funções na Globalização?”

Estudo sobre exportações de serviços

A empresa “Augusto Mateus e Associados” vai realizar (com prazo de conclusão em Setembro de 2014) para o Fórum um estudo oque se propõe analisar o contributo dos serviços para as exportações portuguesas.A abordagem proposta visa captar não apenas as exportações directas de serviços como o contributo dos serviços exportados, bem como o papel das actividades terciárias não directamente deslocalizáveis mas com potencial de atracção de rendimentos oriundos do estrangeiro.

Seminário "Portugal: Que funções na Globalização?"

 

O "Fórum dos Serviços" vai promover conjuntamente com a CCP um Seminário subordinado ao tema "Portugal: Que funções na Globalização?" O evento, de que poderá consultar neste site o devido programa, terá lugar no próximo dia 21 de Março, no Centro Cultural de Belém em Lisboa, durante o período da manhã.A participação é livre, sujeita a prévia 

inscrição para o e-mail forum.servicos@ccp.pt ou para o telefone 213 031 380

(até ao dia 14 de Março)

A arrancar no 1º trimestre de 2014 - Estudo “As Actividades de Serviços e a Atracção de Não Residentes”.

Trata-se de estudar o papel de actividades que não sendo directamente consideradas exportadoras contribuem decisivamente para a Balança de Serviços, como sejam: Restauração, Cultura, Desporto e Lazer, Saúde e Cuidados Corporais, Transporte e Comunicações, Património Natural e Urbano, etc. O estudo deverá ficar concluído até ao final de 2014

FÓRUM DOS SERVIÇOS CRIA GRUPO DE TRABALHO PARA DEBATER NOVOS APOIOS COMUNITÁRIOS

O Forum decidiu constituir um Grupo de Trabalho com a incumbência de, no prazo de 2 meses, elaborar um Relatório sobre estes apoios, abordando, em especial, o acesso das actividades de serviços aos mesmos. O documento deverá identificar as tipologias de investimento que deverão merecer acolhimento nos novos programas a criar, tendo por base o contributo a dar pelos serviços para que Portugal possa inserir-se na  globalização pior via das criação de uma maior valor acrescentado daquilo que produzimos. A apresentação do Relatório está prevista para o final do mês de Fevereiro. 

Please reload

NOTÍCIAS

 

Assinatura de Memorandum de Entendimento entre a AICEP, o IEFP e a Capgemini

A cerimónia de assinatura do Memorandum de Entendimento entre a AICEP, o IEFP e a Capgemini, no âmbito da implementação de um Centro de Serviços Remotos tem lugar no próximo dia 20 de Maio, em Évora.

 

A Capgemini Portugal cria um Centro de Serviços Remotos, de suporte à sua operação de serviços tecnológicos em Portugal, que se reveste de significativa importância económica e social para a região de implantação e para o país, do qual resultará a criação de um número relevante de postos de trabalho com elevada qualificação, e a aquisição de equipamentos específicos que suportem as atividades de investigação e desenvolvimento na área de Tecnologias de Informação.

 

Esta cerimónia, que contará com a presença do Ministro da Economia,  António Pires de Lima, entre outras entidades institucionais, será um momento emblemático e representativo da estratégia de negócio e investimento da Capgemini em Portugal, reforçando o posicionamento do país como plataforma de Tecnologias de Informação. 

 

A cerimónia decorrerá no próximo dia 20 de Maio, às 9h30 na Sala dos Docentes do Colégio do Espírito Santo no Largo dos Colegiais, 2 em Évora.

Portugal em destaque no Outsourcing Europeu

Associação Portugal Outsourcing na short-list dos 2014 European Outsourcing Association Awards

 

 

Portugal volta a ser destacado no mercado internacional dos serviços de base tecnológica através da APO - Associação Portugal Outsourcing - que acaba de ser incluída na short-list dos 2014 European Outsourcing Association Awards (EOA), na categoria “Offshoring Destination of the Year”.  

1º ENCONTRO DOS CENTROS DE SERVIÇOS EM PORTUGAL

 

Realizou-se no Fundão, nos dias 9 e 10 de Maio o primeiro encontro dos Centros de Serviços em Portugal, que contou com a colaboração da Câmara Municipal do Fundão, AICEP – Portugal Global e da Associação Portugal Outsourcing.

 

O encontro contou com a presença do Governo, representado pelo Ministro da Economia e das instituições públicas mais relevantes (IAPMEI, AICEP, IEFP, DGAE, Câmaras Municipais) e várias instituições de ensino superior.

 

O objectivo deste encontro, que contou com a participação de várias empresas e associações de serviços, foi o de reunir representantes destas áreas de actividade, com o objectivo de analisar e reflectir sobre a realidade das mesmas, de forma a identificar os constrangimentos existentes e as potenciais vantagens competitivas do país. Foi também propósito dos debates realizados contribuir para a definição de uma estratégia visando a promoção externa do país nestes domínios.

O encontro permitiu ainda afirmar igualmente o papel do Fórum dos Serviços como elemento agregador das empresas e associações e parceiro relevante dos órgãos de poder local e das instituições de ensino no desenvolvimento de acções e iniciativas integradas que contribuam para a dinamização dos centros de serviços/centros de competência.

ENCONTRO - CENTRO DE SERVIÇOS EM PORTUGAL

HOTEL ALAMBIQUE FUNDÃO 

1º ENCONTRO DOS CENTROS DE SERVIÇOS EM PORTUGAL

Assumindo o sector dos serviços um peso crescente na economia actual e sendo o seu papel na globalização e na internacionalização das economias cada vez mais importante é fundamental para o nosso país e para o reforço da competitividade da sua economia dispor de um sector dos serviços forte e dinâmico, que fomente uma especialização inteligente da economia, criando emprego e contribuindo para o desenvolvimento sustentável do país.Neste contexto foi constituído o “Fórum dos Serviços, para uma Especialização Inteligente da Economia Portuguesa”, iniciativa da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e que integra associações e empresas deste sector, além de diversas pessoas singulares. O Fórum propõe-se constituir uma plataforma aberta de reflexão, de debate e de intervenção pública sobre os problemas e os caminhos a percorrer pelo sector dos serviços, no quadro de uma nova economia globalizada, confrontada com novos desafios emergentes.No objecto da sua acção consta, nomeadamente, a promoção de iniciativas que favoreçam a criação de clusters, redes e plataformas de actividades de serviços orientadas para o exterior, fomentando a cooperação interempresas, o desenvolvimento de serviços emergentes e a criação de novos produtos e conceitos de valor acrescentado.

No cumprimento deste propósito o Fórum dos Serviços irá promover nos dias 9 e 10 de Maio próximos, no Fundão, o 1º Encontro dos Centros de Serviços em Portugal (“Portugal – Service Centers Plataform”), iniciativa que se propõe reunir representantes de um conjunto relevante de “stakeholders” do sector dos serviços, com especial incidência em serviços que resultam da deslocalização dos mesmos por parte de empresas internacionais, e que se apresentam sob a designação genérica de serviços partilhados. Esta iniciativa do Fórum conta com o especial apoio da Câmara Municipal do Fundão, da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, da AICEP – Portugal Global e da Associação Portugal Outsourcing e, conforme programa do Encontro que se junta, terá ainda a participação de representantes do Governo português e de diversas outras entidades, públicas e empresariais.

A organização dos trabalhos do encontro está orientada para a análise e reflexão, nas suas diversas vertentes, do tema “centros de serviços”, com o propósito de apreender os factores de constrangimento existentes, as vantagens competitivas que o país apresenta e contribuir para definir uma estratégia concertada que conduza à afirmação desta actividade com um pilar essencial da nossa internacionalização e ao reconhecimento dos serviços como um sector com elevado potencial de crescimento no nosso país.

Seminário:”Portugal: Que Papel na Globalização?”

No Seminário, em título além da apresentação do documento do Fórum sobre “Portugal 2020” foi feita a divulgação pública do estudo elaborado para a CCP por uma equipa coordenada por José Félix Ribeiro com a designação “Portugal: Que Papel na Globalização?”. Também os temas do território e da política de cidade foram abordados em intervenções de António Figueiredo (Quaternaire) e Paulo de Carvalho (Câmara Municipal de Lisboa). No encontro estiveram, ainda nas sessões de abertura e encerramento, respectivamente o Ministro do Ambiente, ordenamento do Território e Energia Jorge Moreira da Silva e o Secretário de Estado do desenvolvimento Regional Manuel Castro Almeida cujas intervenções se centraram no novo pacote legislativo sobre a lei dos solos e o ordenamento do território e sobre os novos programas comunitários para o período 2014-20. O encontro foi aberto pelo Presidente da Direcção da CCP que se referiu ao apoio empenhado desta Confederação nos trabalhos objecto de apresentação durante a sessão, destacando a importância do Fórum dos Serviços na promoção deste sector e no debate em torno do seu papel na economia portuguesa.

Conferência Portugal - Plataforma TIC para a Europa Os serviços de base tecnológica em Portugal

A Associação Portugal Outsourcing e a Vieira de Almeida & Associados vai organizar a conferência Portugal - Plataforma TIC para a Europa Os serviços de base tecnológica em Portugal onde serão debatidas diferentes matérias relativas às competências de Portugal - e das empresas portuguesas - enquanto plataforma para a prestação de serviços de outsourcing de tecnologias de informação e de processos e aos apoios ao investimento neste sector. O evento realizar-se-á no dia 14 de Janeiro de 2014, entre as 8.30h e as 12.00h, no auditório da Vieira de Almeida & Associados.

Artigo JN - Do mito da reindustrialização ao desafio de uma "especialização inteligente"​

José Cortez

O tema da reindustrialização e do «fomento industrial» até pode ser politicamente rentável num país que o viveu sempre como sonho por realizar. Mas a nossa pretensa "vocação industrial" não tem comprovativo histórico.Nota: Este artigo está acessível, nas primeiras horas, apenas para assinantes do Negócios Primeiro. Durante o séc. XX, a produção da indústria transformadora per capita foi sempre inferior a metade da média europeia. Houve, é certo, nos anos 50-60 do século passado, uma tentativa de "industrialização tardia", mas cuja inconsistência se tornaria rapidamente visível, ainda durante a fase final do "Estado Novo". A abertura ao exterior não era mais compatível com um forte proteccionismo marcado na frente externa por elevados muros aduaneiros e na frente interna pelo condicionamento industrial.Já no final do séc. XX e sobretudo com a entrada de Portugal na UE, tivemos alguma deslocalização de empresas multinacionais para Portugal que, no entanto, com o alargamento a leste da UE e a entrada de novas economias emergentes na globalização, começaram a sair do país. Este fenómeno não ocorreu de forma similar em empresas originariamente portuguesas pelo que o regresso ao território nacional de fases da cadeia produtiva não pode ocorrer.A afirmação, muitas vezes repetida, de que "quem exporta é a indústria" e de que, consequentemente, uma política orientada para o reforço da procura externa teria de privilegiar as empresas produtoras de «bens transaccionáveis», não resiste a uma análise menos superficial da realidade.As actividades de serviços são hoje responsáveis por mais de 50% daquilo que exportamos, seja pelo crescente peso directo destas nas exportações (passou de 19% para 29% em dez anos), seja pela incorporação de serviços no "conteúdo dos próprios bens exportados". Isto mesmo é evidenciado em estudo de A. Mateus e Associados, onde se refere que «os serviços passaram a liderar a origem do valor acrescentado implícito no esforço de exportação da economia portuguesa». Estes números estão aliás em linha com o que se passa no conjunto da UE, onde «os serviços representam cerca de 40% do valor que é acrescentado aos produtos exportados da Europa» (relatório da Comissão Europeia).Por outro lado, enquanto a balança de serviços vem registando saldos crescentemente positivos, a balança de bens, apesar da forte quebra das importações em resultado da contracção da procura interna continua em terreno negativo. É que o conteúdo importado na indústria portuguesa representa actualmente 50% das exportações industriais, pelo que, não basta "exportar mais" para que a posição externa da nossa economia melhore.O discurso da reindustrialização, além de mistificador em relação a um passado inexistente, desvia-nos dos verdadeiros desafios da economia portuguesa face à realidade do mundo actual. Se queremos crescer temos de ser parte integrante das cadeias de produção globalizadas que hoje dominam a economia mundial. Para isso, é preciso vencer dois dos principais problemas com que a economia portuguesa se confronta: a forte componente de consumo intermédio importado e o reduzido valor acrescentado gerado no nosso país.A estratégia a seguir não passa por fazer escolhas entre os grandes sectores da economia, mas deve ter por base uma "especialização inteligente". Ou seja, apostando em saberes criativos que não visam dinâmicas inovatórias de valor absoluto e aplicação universal, mas que estão orientados para a diferenciação dos produtos ao nível da sua personalização e da satisfação de procuras específicas.Uma divisão da estrutura produtiva feita na base de sectores de actividade segmentados e sobrepostos, e em que o percurso ao longo da cadeia de valor tem sempre como elemento estruturante um determinado bem material faz cada vez menos sentido. O fundamental não é o local em que as exportações são contabilizadas, mas o local onde é maximizado o valor dos produtos.É por tudo isto que o recente "Memorando" do Governo sobre o "Fomento Industrial" é um documento decepcionante. Parte de um discurso assente em velhos paradigmas e nele não se vislumbra uma única ideia inovadora. Ele terá a seu favor o facto de ser visto como um contraponto da política de austeridade a que o país se condenou. Contudo, em termos práticos, pouco mais é do que o provável preâmbulo do novo QREN 14-20, isto é, um documento orientador dos novos critérios de distribuição dos dinheiros comunitários. E, paradoxalmente, caucionador de que, os mesmos de sempre, irão continuar a ser os seus maiores beneficiários, com os resultados que a situação da nossa economia nos mostra ter sido muito pouco regeneradora. 

Please reload